Atualmente fala-se muito a respeito da endometriose. Por muitos anos essa doença ficou fora de evidência, o que fez com que muita gente sofresse com as dores geradas pela endometriose sem nem mesmo fazer ideia da sua existência.

Mas calma aí! A endometriose não é a única causadora de dor pélvica. Muito menos a única causadora de cólicas menstruais. Entre outras, existe uma doença que causa sintomas muito parecidos, porém com algumas diferenças muito sutis. A adenomiose.

Enquanto a endometriose tem como definição a presença de células fora do útero semelhantes às que o revestem internamente (Leia o post sobre endometriose aqui no meu blog), A adenomiose é definida pela presença destas mesmas células “incrustadas“ no músculo da parede do útero.

Assim como na endometriose, a adenomiose pode causar dor pélvica crônica, cólicas menstruais intensas, e dor na relação sexual. Mas o sintoma que separa uma doença da outra é o sangramento menstrual volumoso, já que a adenomiose é uma das grandes causadores.

Agora você já sabe. A endometriose tem uma prima! Uma doença que causa sintomas muito parecidos com os da endometriose, porém com algumas pequenas diferenças que ajudam o ginecologista na hora do diagnóstico.

Imagine esta situação: Você realiza um exame de ultrassonografia solicitada pelo seu médico, e recebe o diagnóstico de mioma uterino. Pânico na certa! Muita calma. A situação pode ser bem mais simples do que você imagina.

Acho que está na hora de esclarecer o que de fato são os miomas. Leiomioma é o nome de tumores sólidos benignos que surgem no tecido muscular de vários regiões do corpo humano. Porém, a localização mais comum destes tumores benignos é no útero.

É isso mesmo. O mioma é um tumor, e nem todo o tumor é sinônimo de câncer. Sendo assim, um grande mito cai por terra: mioma não é sinônimo de câncer.

Os sintomas gerados por esta doença podem ser bem variados, uma vez que a localização deste nódulo no útero é responsável por diferentes tipos de apresentações clínicas.

Da mesma forma, o tratamento também pode ser variado. E vai desde o simples acompanhamento com ultrassonografias seriadas, passa por uso de medicamentos e vai até a utilização de técnicas cirúrgicas.

Portanto, se você descobriu que tem miomas no útero, não se apavore. Procure seu ginecologista e discuta com ele a melhor estratégia para o seu caso.

 

Muitas mulheres literalmente entram em pânico só de ouvir falar em endometriose. Mas um dos grandes problemas é que boa parte não faz ideia de o que realmente seja essa doença. Por isso vamos, de uma vez por todas, esclarecer isso de uma maneira simples e direta. 

Antes de mais nada é importante que você compreenda o que é o endométrio, já que não é à toa a semelhança do nome da doença com esta parte específica do útero da mulher. 

O endométrio é a camada de revestimento interno do útero, e é submetido a modificações todos os meses por estímulos hormonais. É justamente a descamação dele que gera a menstruação. A mulher portadora de endometriose apresenta desenvolvimento de células semelhantes às do endométrio fora do útero, e essa é a real definição de endometriose.

Essas lesões de endometriose podem ter os tamanhos mais variados e surgir em múltiplos locais, em especial na região pélvica. Focos da doença muitas vezes ficam aderidos e até penetram em outros órgãos, principalmente no intestino e em órgãos do aparelho urinário.

Lesões de endometriose.

Como essas células semelhantes ao endométrio também são estimuladas por hormônios sexuais, é comum existir dor forte durante a menstruação, ou mesmo piora de outros sintomas durante esse período tão delicado do mês da mulher.

Pronto! Agora que você já sabe o que realmente é a endometriose fica um pouco mais simples entender o comportamento de sintomas e até mesmo o tratamento. Mas isso é assunto para outra postagem!